quarta-feira, setembro 06, 2006

Os homens preferem as díficeis...será??

Huhu! Concordo com a autora!! É um pouco comprido, mas é certo!!

Por Rosana Braga (escritora,palestrante e consultora em Relacionamentos.)

"Especialmente quando adolescente, ouvi inúmeras vezes que "moça direita não é fácil" e que os homens só se casam com as difíceis, só dão valor àquelas que dizem 'não'.
Entretanto, não foram poucas as vezes em que me peguei com a dúvida cruel: o que é ser difícil? Quer dizer que as mulheres têm de fingir que não querem, mesmo querendo? Têm de fingir que não gostam, mesmo gostando? E se for assim, quando devem parar de fingir?
Talvez seja por isso que há tanta mulher sendo rotulada como frígida; afinal devem ter adotado a crença de que é melhor nem sentir, assim fica mais fácil 'ser difícil'. Claro que nem todas pensam assim, felizmente... mas daí, outra dúvida ainda maior parece tomar conta da ala feminina: "E agora, como deve ser meu comportamento de 'moça direita que quer e - pior! - demonstra que quer???".
Com o tempo, passei a fazer um paralelo entre esta dinâmica proposta para as 'moças direitas' e a vivida pelas princesas dos contos de fadas. A princesa não precisa fingir porque a pouca srte de seu destino já se encarrega de afastá-la do príncipe até o final da história.
Somente quando está quase acabando, eles conseguem ficar juntos. Mas imediatamente depois deste empolgante encontro, vem a vaga promessa e as irritantes reticências "e foram felizes para sempre...". Mas como? Como construíram esta felicidade? O que fizeram? Como se comportaram? Ela foi difícil? [kkkkkkkkk] Fingiu? Até quando?
Será que contaram a você? Será que contaram aos homens? A mim não contaram... Tive de tentar descobrir sozinha: vivendo, tentando, começando e terminando, e ficando com a sensação de inadequação, caretice ou até mesmo de ter sido "fácil" algumas vezes e "difícil" em outras, sem nunca ter certeza se fiz certo ou errado...
A adolescência acaba e chega a adultidade (palavrinha esquisita, bem apropriada ao que quero dizer...). Aí a gente pensa inocentemente "Ufa, agora sim vou saber direitinho o que fazer". Mas a realidade é bem outra. A dúvida sempre parece nos assombrar: ser fácil ou ser difícil? O que fazer: dizer que não quer quando quer ou dizer que quer e pronto, deixa rolar?
Exageros à parte, é verdade que hoje em dia se perde muito do encanto que pode haver nos encontros por conta desta neurose que toma conta do nosso ritmo interno. Tudo tem de ser agora. Fast food, fast service, fast love... Então, penso que o ideal seria nem 8 nem 80. Nem o 'já', nem o 'fingimento'.
Entretanto, se agora não precisamos mais seguir o script sem sentido de 'moça direita', parece que ainda fica lá no fundo uma busca pelo difícil, pelo complicado, pelas relações que não fluem. Pessoas confusas, que querem, mas não querem, que dizem sim, mas fazem não, que não ficam, mas também não vão...
E assim, perdidos entre o 'fácil que não tem graça' e o 'difícil que não preenche', ficamos nós, homens e mulheres, parecendo personagens de uma comédia. Um corre atrás, o outro foge. Um foge, o outro corre atrás. Ele, tarado. Ela, frígida. Ele psicopata. Ela, dependente. Quando, na verda, bastaria que nos permitíssemos aquilo que desejamos, tão somente o que desejamos de verdade.
Sem essa de que 'tudo o que é mais difícil é mais gostoso'. Isso é coisa de gente maluca!!!
Por que não podemos valorizar o amor que flui naturalmente, que vai se mostrando descomplicado, disponível, comprometido? Por que parece que temos de optar sempre pela dor, pelo conflito, pelo drama que mais nos endurece do que nos amadurece?
Sugiro que apostemos mais no fácil; não porque sejamos incapazes de lidar com as dificuldades. Simplesmente porque certas dificuldades são mesmo inevitáveis. [O que eu sempre dizia] Pórem, outras , especialmente aquelas referentes ao coração - que quase sempre são criadas por nós mesmos - são absolutamente evitáveis. Então, que nos permitam desfrutar de um amor que acontece... e que abandonemos, enfim, essa teimosa mania de querer exatamente aquilo que a gente não pode ter."



Sem comentários. Tava grifando o texto inteiro quase.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
É isso ae. ;)
SIMPLIFICAAAA, NÃO COMPLICAAAA... E DEIXA ACONTECER NA-TU-RAL-MENTE!! haoeeauoaheoea (duas músicas de pagode,hein? Aff, pagode nao é mais vírus...virou câncer em mim kkkkkkk )

Um comentário:

Ben-Hur Hugo disse...

pessoalmente eu não dou importância se foi fácil ou difíil, eu sempre analiso como foi, e não o tempo que demorou pra rolar
hauahauhauahuahuahua

afinal é isso que vale ^^